sábado, 13 de novembro de 2010

*LEITE DERRAMADO de CHICO BUARQUE Acaba de Ganhar o Prêmio PT Literatura 2010*


(…) A MEMÓRIA É DEVERAS um pandemónio, mas está tudo lá dentro, depois de fuçar um pouco o dono é capaz de encontrar todas as coisas. Não pode é alguém de fora se intrometer, como a empregada que remove a papelada para espanar o escritório. Ou como a filha que pretende dispor minha memória na ordem dela, cronológica, alfabética, ou por assunto (…)



Este é um passeio pelo enredo de “Leite derramado”, último livro de Chico Buarque. Quando terminei de o ler balbuciei para os meus botões: espectáculo! Assim reajo quando um livro me extravasa as expectativas. As latitudes que me prenderam: a forma como o autor conta o percurso de um país, (O Brasil) através das memórias de um velho aristocrata decadente, num monólogo absoluto, nele despontando a narrativa.



Num leito do hospital do Rio de Janeiro, um velho da linhagem D`Assumpção, genealogia de família tradicional, resiste em desperdiçar os seus últimos dias como um anónimo e decide contar as suas lembranças a quem o quisesse ouvir - os médicos, a enfermeira a quem chega inclusive a prometer casamento e à filha que o manda internar, entre outros.



O velho Eulálio, narrador e protagonista, por sua vez, escolhe um alter-ego, a esposa Matilde, de quem guarda as mais belas e tristes recordações. Igualmente, retive como brilhante o retrato de todo o fausto e requinte vivido entre Brasil e Europa, passando pela política, pelas relações entre classe e raça, em que o amor de Eulálio e Matilde fenece com a sensação de desolação eterna e absoluta. Diz o texto que Matilde foge, se apaixona por outro, morre num manicómio… enfim, meandros da imaginação de um velho derrotado pela vida.



“Leite derramado” não é (auto) biográfico. É narrativa existencialista. Com tudo o que de realista e de fantástico se nos empresta a existência. As lembranças do velho Eulálio são desconexas, anacrónicas sem o mínimo esforço cronológico, mas a sua força psicológica é existencial.



Chico Buarque reafirma, neste romance, que, para além de conhecedor profundo do processo histórico brasileiro, é um “caçador de heranças” culturais, sociais e familiares. Ironizando sobre o manancial das heranças com que promove o seu processo criativo, ele próprio diria que “tenho uma mãe centenária”, o que, na minha opinião, mexe com qualquer pandemónio da memória.

Texto publicado no blog http://odiaquepassa.blogspot.com/em julho de 2009. 
Leite Derramado acaba de ganhar o Prémio PT Literatura 2010  e neste mês já havia levado também o prêmio Jabuti de melhor livro do ano de 2010.

7 comentários:

Guará Matos disse...

Parabéns ao bom e "velho" Chico.

Bjs.

lucidreira disse...

Só temos que aplaudir esse mestre da cultura brasileira, juntos com muitos outros que o povo esquecem de ler, ouvir e acompanhar seus passos.
Merece e com todo o júbilo que os venham dar.
Abraço

Wanderley Elian Lima disse...

Olá Denise
Ainda não li o livro, mas pretendo. Amo o Chico.
Tenha um ótimo feriadão.
Beijos

JOE ANT disse...

Denise,
Bem haja por nos lembrar esse romance, bem como esses prémios.
...
Contudo eu sou crítico quanto a prémios, óscars, noble, etc, etc.
Sei que se deve dar valor a quem
trabalha, mas eles não saberiam assim "trabalhar" se não fossem as "histórias de vida" de tantíssimos anónimos.
Só que têm o dom de passar para o papel, para a tela, a vida de cada qual.

AFRICA EM POESIA disse...

Denise
Obrigada amiga
o livro está a chegar...
O blog tento que seja leve e discreto...
beijos

Se quizer o livro eu envio---

Meias de Seda (Suzy) disse...

Chico é competente em tudo que faz!
Bjos ;)

Dom Quixote (Thomaz) disse...

Já li o livro e recomendo!

Related Posts with Thumbnails